Peru: ficção e realidade

Correio Braziliense e Estado de Minas – domingo, 23 de maio de 2021.

Cajamarca é antiga cidade inca em que Francisco Pizarro, conquistador espanhol, capturou e executou Atahualpa, dando fim ao Império Inca.

Hoje, Cajamarca é uma cidade média, com rica história preservada e um departamento peruano conhecido pela produção de ouro para exportação. É dali que veio a nova sensação da política do país: Pedro Castillo.

Professor de escola pública sem passagem por cargos eletivos, Castillo se tornou conhecido ao liderar uma greve de professores em 2017. 

Num país em que a política foi destroçada e os partidos políticos são cartórios que mudam de nome e não cansam de se autodestruir, foi para o segundo turno das eleições presidenciais com a filha de um ex-presidente preso por crimes contra a humanidade.

No dia 30, Fujimori e Castillo realizarão o último debate da eleição. Ocorrerá no Sul do país, em Arequipa. E a ideia é encontrar um terreno neutro. Nem na região Norte de Castillo, nem na região Central em que fica a capital Lima, onde Fujimori tem mais apoio. Quando as duas equipes chegaram em Arequipa, viram que isso não é tão simples em um país de política tão conturbada.

Fujimori tem muito apoio no Norte, fora de Cajamarca, e Castillo tem vantagem justamente no Sul. Em Arequipa, a sugestão era realizar o debate no Palácio de Belas Artes, que leva o nome do mais renomado escritor peruano contemporâneo, o ainda vivo Mario Vargas Llosa. Filho mais ilustre de Arequipa, em 1990 Llosa foi candidato derrotado à Presidência pelo pai de Keiko, o então desconhecido Alberto Fujimori.


Na campanha, Llosa liderou um time superantenado com o que havia de mais influente no Banco Mundial, no FMI, e nas principais agências dos EUA que se dedicam a pensar o mundo. Sua vitória em 1990 teria sido a vitrine de butique do que no ano anterior o professor John Williamson – que deu aulas na PUC do Rio de Janeiro e veio a falecer no mês passado – batizara de Consenso de Washington. 

Todavia, Llosa perdeu. Fujimori – que foi alçado do nada – tornou-se um presidente em busca de uma ideia do que fazer de seu governo. Arranjou-se bem com muitos apoiadores de Llosa que queriam entrar para a Casa de Pizarro, o Palácio do Governo do Peru.

Passado um ano e pouco colocando o plano de Llosa em prática e recebendo elogios, Fujimori deu um autogolpe. Dali para frente se segurou no cargo até 2000, quando saiu fugido do Peru para o Japão. Desde 2010, Fujimori cumpre pena no Peru.

Llosa passou todos esses anos lamentando como Fujimori e sua família trabalham para destruir a institucionalidade no país. Depois de criticar Keiko das formas mais veementes possíveis anos a fio, Llosa pede votos para ela em nome de um medo maior do desconhecido Pedro Castillo.


A atitude do Llosa compõe o retrato das atitudes mais básicas que maltratam e destratam a política e a vida civil no Peru. É muita influência exercida por pessoas que não fizeram do Peru o principal local de sua vida. É um local de extração. Para Llosa – que mora em Madri, por conta de exílios e afinidades eletivas – extração de histórias muito bem escritas. 

Para outros, é local de extrações mais próximas da vivência de pessoas como Pedro Castillo – que sofrem as consequências de uma mineração muitas vezes realizada de forma desrespeitosa com as comunidades locais e o meio-ambiente. Isso faz com que o governo viva em ondas vãs de autoritarismo, exílio e populismo. Abismo atrai abismo, não tem como dar certo desse jeito.


O Peru é um dos países em que o coronavírus por si só aumentou a chance de conflitos. Junto com o maltrato histórico da vida política e civil, a crise do coronavírus colocou um professor camponês de Cajamarca na porta da Casa de Pizarro, lado a lado com a herdeira de Fujimori. Contudo, não se trata de revolução.

O maior risco de Castillo é decepcionar seus eleitores por conta de sua inexperiência. Por parte da nova Fujimori, a decepção é tentar voltar às experiências ilegais e autoritárias dos anos 1990. São três décadas da alternância entre antipolítica autoritária, tecnocratismo e populismo.


O debate do dia 30 foi transferido para o salão Simón Bolívar, da universidade de Arequipa. Os chavões dominam as duas campanhas. Williamson alertava na conferência original de 1989 em torno do tal Consenso de Washington – na qual participou Pedro Pablo Kuczynski, o mais recente presidente peruano eleito por currículo – que “Washington nem sempre pratica o que prega, (… o que) machuca os EUA bem como o resto do mundo”.

Que o povo peruano escolha livremente o governo e que venha aí o mais bem-sucedido possível. E se tiver discernimento, que pense bem em mudar o nome do Palácio. Imagine no Brasil o Palácio do Planalto ter o nome de quem dizimou nossos índios?

Paulo Delgado
Paulo Delgado
Sociólogo, Pós-Graduado em Ciência Política, Professor Universitário, Deputado Constituinte em 1988, exerceu mandatos federais até 2011. Consultor de Empresas e Instituições, escreve para os jornais O Estado de S. Paulo, Estado de Minas e Correio Braziliense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *