A Constituição Traída

A Constituição Traída

O Globo – 7 de Outubro de 2013.

A Constituinte foi convocada para moderar a ira social, resolver o impasse do esgotamento do modelo econômico e conduzir o país ao estado de direito. Visou impedir que o processo político confrontasse o sistema ditatorial moribundo com o sistema civil que emergia pela via eleitoral.

A Constituinte buscou, de forma barulhenta, confusa e pelo caráter generoso e distributivista de suas idéias sócio-econômicas, se harmonizar com o sentimento da sociedade. A uma época de máxima restrição seguiria outra com o máximo de direitos. Contudo, uma traição original marca até hoje o presidencialismo brasileiro dali derivado.

Com base na Constituição da ditadura, as decisões políticas relevantes foram antecipadas para esvaziar a possibilidade de mudança real via Constituinte. O país foi embriagado com eleição presidencial direta, voto do analfabeto, legalização de partidos: o novo, vestido na roupa velha; e ficamos contaminados com esse eleitoralismo sem fim onde o eleitor precisa de senha para entender o jogo jogado. Sem poder tocar na política velha, que nunca morreu, a Constituinte ousou socialmente: tentou colocar o Estado a serviço da sociedade.

Assim, o texto não começa com a definição dos poderes, mas com o rol dos direitos individuais e coletivos. Deveres do Estado para com a sociedade, prevalência do cidadão como sonha o SUS e consagra o Código de Defesa do Consumidor.

Mas a alma cidadã da Constituição é sempre traída quando vira política de governo. Governar passou a ser mudar a Constituição. Um revisionismo permanente, um Legislativo avaro em boas leis, um Executivo pródigo em qualquer lei, um Judiciário que assombra o país com tantas interpretações da lei!

O Ministério Público, nossa maior ousadia de constituintes, glamourizou-se e acha pouco o que lhe demos. Com independência institucional, sente-se árbitro da legitimidade da lei e julgador de seu conteúdo; invade doutrinariamente a competência da vida civil para resolver conflitos. Tornou-se polícia de costumes. Interpreta a Constituição – ao contrário de ser interpretado por ela – e fez-se parte da hierarquia dos três poderes em competição aberta com o Judiciário e o Executivo. Ruma para um gigantismo sem sentido, inunda o Estado com sua presença, faz-se cego à compreensão de que a sociedade também é capaz de reconhecer, respeitar, conviver e defender seus direitos.

A Constituição atual é um texto da arte de vitral. Introduziu tantos intermediários entre o povo e o Estado que levou o país à dependência civil de caráter geral como se só houvesse vida útil no Estado e suas autoridades.

Por isso a Constituição não assegurou acumulação de energia capaz de levar ao livre progresso da Nação. Grudou na sociedade, como goma arábica, tutelou a economia, paralisou a ousadia civil. Estatizou o cidadão, a arte, prosperidade, família, trabalho e a compaixão. Levou os jovens a abandonarem sonhos para serem funcionários públicos, qualquer posto ou função, para ali, concursados, remunerados, adoecerem privilegiados.

***** 

PAULO DELGADO

constituiçao traida

Paulo Delgado com Benedita da Silva em sessão da Assembleia Constituinte

Paulo Delgado com Benedita da Silva em sessão da Assembleia Constituinte

 

Paulo Delgado
Paulo Delgado
Sociólogo, Pós-Graduado em Ciência Política, Professor Universitário, Deputado Constituinte em 1988, exerceu mandatos federais até 2011. Consultor Independente de Empresas e Instituições nas Áreas de Política, Educação e Trabalho, escreve para os jornais O Estado de S. Paulo, Estado de Minas, O Globo e Correio Braziliense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *