ELES NÃO LÊEM LIVROS

ELES NÃO LÊEM LIVROS

O Globo – 3 de Novembro de 2014.

Os suecos, tranquilos em sua segura felicidade, gostam mesmo é da França. No período em que a economia francesa está pior que apática, com gestão duramente questionada, afundando um pouco mais a moral do país, em Estocolmo, uma dobradinha francesa de prêmios Nobel, em Literatura e Economia, salvou a pátria de Asterix. Com o gosto apurado pela influência de sua cultura, ciência e política no cenário global “estamos contentes que sejamos nós”, disse um orgulhoso presidente Hollande sobre o economista agraciado Jean Tirole, apesar de tê-lo como crítico da timidez das reformas do seu pífio governo. “Tanto pior para as sirenes do declínio e os amantes do denegrir nacional”, ufanou-se em editorial o normalmente sóbrio jornal Le Monde.

Patrick Modiano, o novo Nobel de literatura, é pouco conhecido e muito menos ainda lido fora da França. No Brasil, por exemplo, seria somente encontrado em sebos, não fosse o badalado desenhista Jean-Jacques Sempé, que ilustra um livro infantil de Modiano – de uma série dedicada aqui à obra do ilustrador. Chega a ter tiragens iniciais de cem mil exemplares em seu país. Por isso a saia justa criada quando a ministra da cultura da França disse semana passada, depois de haver almoçado com Modiano, não saber sequer o título de qualquer um de seus livros. O que conversaram no almoço é um mistério. A situação piorou quando a ministra se desculpou dizendo que não lia livros há dois anos por causa da política. Deve estar aí mais uma das razões para o sucesso do casamento arranjado do marqueteiro com o político. Duas cabeças vazias, seguras de que a política é tudo, não se importam com mais nada na vida.

A verdade é que o prêmio Nobel, com suas escolhas subjetivas escreve seu próprio script. Às vezes escuta o mundo, às vezes só quer ser escutado. O silêncio das ausências incômodas é escolha irreversível e nunca explicará, na literatura, a ausência de Leon Tolstoi, Franz Kafka,Marcel Proust e Jorge Luis Borges entre os escolhidos.

Se na literatura a escolha foi surpreendente, no principal prêmio político, o da paz, o Nobel se alinhou às expectativas do tempo atual. Consagrou a luta contra a opressão e o extresmismo especialmente a da jovem paquistanesa Malala Yousafzai.

Inesquecível a história deste premio. “O mercador da morte está morto.” Quando Alfred Nobel sentiu o privilégio que foi ler em vida a notícia da própria morte, não gostou de saber como andava sua reputação. O químico sueco, que fez sua fortuna ao inventar a dinamite, leu seu obituário num jornal francês que o confundiu com seu irmão, morto em Cannes dois dias antes. Disposto a não ser lembrado pelo mal que sua invenção fez à humanidade, colocou sua riqueza a serviço da mais poderosa filantropia humanitária em forma de prêmios que temos no mundo.

Nada sabe verdadeiramente da riqueza aquele que a deseja inteira para si. Com mais de um século de existência, o Nobel continua marcado por saudáveis desencontros mas também sendo um belo exemplo de afortunado homem que soube colocar no elogio aos outros sua paixão.

****** 

PAULO DELGADO é sociólogo.

Paulo Delgado
Paulo Delgado
Sociólogo, Pós-Graduado em Ciência Política, Professor Universitário, Deputado Constituinte em 1988, exerceu mandatos federais até 2011. Consultor Independente de Empresas e Instituições nas Áreas de Política, Educação e Trabalho, escreve para os jornais O Estado de S. Paulo, Estado de Minas, O Globo e Correio Braziliense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *